fbpx

Durante reunião presencial esta tarde (25), em Brasília, com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, para discutir a retomada da construção da usina termelétrica associada a terminal de gaseificação em Rio Grande (RS), o senador Lasier Martins (Podemos-RS) relatou as expectativas do estado e ouviu as iniciativas da pasta para atrair novos investidores ao projeto.

As duas estruturas – termelétrica e gaseificadora – representam investimento superior a R$ 3 bilhões e tiveram outorga suspensa em 2017 em razão de dificuldades de financiamento da concessionaria. O ministro garantiu que existe hoje convergência entre os governos federal e estadual para relançar o projeto, que se sustentará livre de recursos públicos.

Em parceria com a Associação Brasileira de Geradoras Termelétricas (Abraget), a pasta mediará em setembro encontro online com três grandes grupos do setor interessados, a Federação das Indústrias do estado (Fiergs), representantes do governo gaúcho e outras autoridades, entre os quais o senador Lasier, para avaliar a superação de impedimentos formais e conhecer os potenciais econômicos do empreendimento.

Reive de Barros, secretário de planejamento e desenvolvimento energético do MME, acrescentou que o país vive momento especial em favor do gás e a reunião explicitará a segurança do projeto e a previsibilidade de ganhos em diferentes mercados, sobretudo o industrial. “A retomada do processo da usina em Rio grande é uma injeção de ânimo na economia gaúcha, sobretudo para a metade sul do estado, que amarga baixos indicadores sociais”, lembrou Lasier.

Fruto de leilão de energia em 2014, a usina e o terminal de GNL com potencial para 14 milhões de metros cúbicos diários são considerados essenciais para o setor industrial. O contrato da termelétrica previa o início da operação até janeiro de 2019, prazo depois estendido para o começo de 2021. Também participou da reunião, de maneira remota, o deputado estadual Fábio Branco (MDB), de Rio Grande.