Notícias

O senador Lasier Martins (PSD-RS) classificou de absurda e insensata a proposta de criação de um fundo de R$ 3,6 bilhões para financiar as eleições de 2018.

Para o senador, um cenário de crise financeira, em que o governo até alargar em R$ 20 bilhões a meta de déficit fiscal de 2017, anteriormente prevista em R$ 139 bilhões, é inaceitável uma medida como essa, que poderá ser aprovada nesta quarta-feira (16) mesmo, pela Câmara dos Deputados.

— Estamos diante de uma situação calamitosa, sem recursos para hospitais, para as universidades, para os serviços essenciais voltados para uma população mais carente. Os cortes no Orçamento vem sendo acompanhados e lamentados por todos os brasileiros, agravando a crise em quase todos os setores da administração pública, com a natural repercussão na desqualificação dos serviços — disse o senador, em Plenário.

Lasier Martins reconheceu ser preciso encontrar uma alternativa para o custeio das candidaturas de 2018, depois que o Supremo Tribunal Federal proibiu o financiamento por pessoas jurídicas. Ele sugeriu, por exemplo, que haja a intensificação do uso das redes sociais.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

A discussão sobre o fim do sigilo nas operações do BNDES parece não ter mais fim. E o impasse que se prolonga chega a ser simplório, com sucessivos adiamentos da votação de um simples requerimento de urgência de um projeto que tramita no Senado há mais de um ano. Enquanto aguardava por quórum no plenário da Casa na manhã desta quinta-feira (17), o autor do projeto, senador Lasier Martins (PSD-RS), foi à tribuna para recapitular uma lista de obras bilionárias de infraestrutura financiadas pelo banco na África e na América do Sul, enquanto o Brasil carece de muitas delas.

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), preferiu não colocar em votação a urgência porque os principais contestadores do projeto não estavam presentes, em particular o senador Lindbergh Farias (PT-RJ). Eunício se comprometeu a colocar em votação o requerimento na próxima terça-feira (22). De toda forma, a discussão do mérito do PLS 7/2016 avançou em plenário nas duas últimas semanas.

Pouco antes da manifestação de Lasier na tribuna, ele se encontrou com o presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro. Perguntado pelo senador, respondeu que é a favor da mais completa transparência no banco de fomento. “Estamos falando de recursos do contribuinte em geral e do trabalhador em particular, por meio do FAT”, lembrou Lasier.

Lasier critica falta de sinalização do Governo Federal em atender os pleitos do Rio Grande do Sul